Processo de escrita, poesia e prosa – Entrevista com Sérgio Fantini

Escritor Sérgio FantiniAno passado eu entrevistei um cara fantástico chamado Sérgio Fantini. Com mais de 30 anos dedicados à escrita, ele produziu e publicou inúmeros poemas e contos (e uma novela) em coletâneas e em nove livros próprios, a maioria de forma independente.

O bate-papo foi longo e rendeu muitos conselhos valiosos, mas muita coisa (mesmo) acabou ficando de fora da versão final da entrevista publicada na coluna Café Literário, do portal Café com Notícias. Decidi, então, publicar aqui (em três partes) as respostas inéditas do Sérgio, que, como mestre do ofício e mediador de literatura, tem muito a dizer aos aprendizes de escritor.

Quem é Sérgio Fantini?

Sérgio Fantini nasceu em Belo Horizonte, onde reside. Começou a vida literária aos 11 anos e cresceu enfurnado na “biblioteca” da família (um quartinho repleto de livros). A partir de 1976, publicou zines e livros de poemas, além de haver realizado shows, exposições, recitais e performances. Teve textos selecionados para diversas antologias no Brasil e exterior.

Mediador em uma oficina literária de contos, Sérgio não tem o hábito de escrever todos os dias nem por muitas horas e por isso produz muito devagar, mas carrega a escrita na mente e busca estar sempre imerso em literatura. Entre seus trabalhos mais recentes destacam-se Silas (Jovens Escribas, 2008) e Novella (Jovens Escribas, 2013), duas coletâneas de contos – a segunda edição de outra coletânea, A Ponto de Explodir (Jovens Escribas) está prevista para este ano.

Livros do escritor Sérgio Fantini

Em tempo: no próximo dia 17, segunda-feira, Sérgio Fantini iniciará, em Belo Horizonte, mais uma edição da oficina de contos “Para gostar de escrever” no espaço Letras e Ponto. Recomendadíssimo

1. Você não costuma passar muitas horas escrevendo. Já vi escritores comentando que o ideal é parar enquanto ainda há vontade de continuar, para guardar energia e motivação para o dia seguinte.

Ernest Hemingway afirmava que parava enquanto ainda sabia o que escreveria no dia seguinte. Ele dizia até o número de lápis que gastava por dia; acho que seis ou sete. Mas cada um tem seu jeito. No meu caso, eu nunca tive necessidade de passar muito tempo produzindo, talvez por me dedicar a contos. Aliás, eu nunca começo a escrever se houver limite de tempo: se tenho de estar no centro às 9 horas, pegar o ônibus às 08:30 h, tomar banho às 7:30 h, não faz sentindo começar a escrever às 6 horas.

2. Eu sei que bem que o tempo é uma preocupação constante de escritores, ao menos no sentido de tentar encontrar nele um espaço para a escrita.

Quando eu estava escrevendo uma novela, essa do personagem Silas, eu morava com minha família. Dividia um quarto com meu irmão, e tinha uma máquina de escrever eletrônica comprada à meia. Na época alguém me cobrou a novela, eu falei que estava sem tempo para terminar e levei uma traulitada: “se você quisesse ter tempo, você arrumava tempo”. A pessoa tinha razão.

Daí que comecei a acordar de madrugada para escrever na máquina, que era bem silenciosa, ali no quarto mesmo, na cama, com uma luminária para não incomodar meu irmão. Desde então, quando eu quero ou preciso escrever o melhor que eu faço é acordar cedo. Daí rende, é superprodutivo, mais do que eu parar no meio da tarde para produzir. Não tem muito mistério.

3. Você começou escrevendo poesia, depois passou para a prosa, mas não houve uma mudança radical; nota-se que a maioria dos seus textos traz muitos elementos poéticos. Pode-se dizer que você incorporou a poesia à prosa?

  Exatamente. Há esses elementos que, ao invés de serem transformados num poema, ou resultam num conto novo ou são incorporados a outro, ou ficam acumulados. O escritor é um acumulador, costumo dizer em minhas oficinas.

Eu vou acumulando coisas, visualmente, auditivamente, olfativamente, coisas inúteis, talvez. Pode ser que eu esqueça algo que ocorreu dois minutos atrás ou pode ser que eu me lembro disso daqui a 10 anos. O importante é você estar aberto para observar e tirar o melhor até de aborrecimentos.

4. E você tem o hábito de manter também anotações físicas, em cadernos? Refiro-me às ideias para trabalhos futuros que surgem inesperadamente, por exemplo.

Caderno de Escritor

Nunca se sabe quando uma boa ideia pode pipocar.

  Anoto, às vezes, até mais de uma vez, porque a minha memória é um estrago. Agora, nem sempre eu uso o que anotei. Mas é bom anotar porque todo esse material guardado já é combustível para tocar novas coisas. Daí pode ser que daqui a 10 anos eu veja aquilo e pense, “ei que negócio é esse?”.

5. Concordo. Há quem diga que se uma ideia é boa ela acaba voltando no momento certo. Mas se eu for contar com minha memória…

  Nossa, senhora, estou perdido, não vai acontecer nada.

Confira a segunda parte da entrevista com Sérgio Fantini.

Para saber mais:

  1. Sérgio Fantini – 7 coisas que aprendi: confira a contribuição do mestre Fantini para a série.
  2. 5 dicas para escrever contos: confira 5 conselhos do renomado escritor de fantasia norte-americano Philip Athans.
  3. 5 livros que ensinam a escrever: uma recomendação de lista de livros sobre escrita disponíveis em português.
  4. Não perca a motivação – 10 dicas para escritores: minha tábua de mandamentos pessoais para os momentos de crise existencial.
  5. Serviço: Circuito Literário Mineiro: conheça e participe de diversos movimentos literários mineiros.
  6. Serviço: Oficinas Literárias: conheça algumas das oficinas literárias mais badaladas do Brasil.
  7. Sérgio Fantini fala sobre o novo livro Novella: entrevista com o escritor no Café Literário que também contém boas dicas para quem pensa em se tornar um escritor.

Sem opiniões

Comente à vontade!

Ou opine pelo Facebook:

Seguir

Inscreva-se e receba notificações de novos artigos por email.

Junte-se a outros seguidores.

%d blogueiros gostam disto: