7 coisas que aprendi – por Ben Oliveira

Em uma iniciativa conjunta* entre os blogs Escriba Encapuzado e Vida de Escritor, T.K. Pereira e Alexandre Lobão convidam escritores para compartilharem suas experiências com os colegas de profissão, destacando sete coisas que aprenderam até hoje. Não interessa se você é iniciante ou veterano, se escreve poesias, contos, romances ou biografias, envie sua contribuição para esta série de artigos!

Neste post, com a palavra, o simpatico Ben Oliveira, jornalista e escritor publicado.

A vida de escritor apresenta aprendizado constante. Todos os dias é aquela batalha contra si mesmo para começar a escrever. Paciência, disciplina, muita leitura, escrita, revisão. Desde que entrei nesta jornada, não parei de aprender. Embora eu não tenha tanta experiência, faz quase 2 anos que decidi me aventurar na escrita literária (formei-me em Jornalismo). A convite do T. K. Pereira eu compartilho 7 coisas que aprendi – e estou aprendendo – constantemente.

  1. Paciência.

    É importante ter paciência. Quanto mais ansioso for o escritor, mais ele sofrerá. Por quê? Muitos autores iniciantes cometem o erro de achar que para publicar um livro basta terminar de escrevê-lo. O processo pode levar meses ou anos. Também é preciso saber esperar pelos prazos, sem ficar enchendo de e-mail os outros profissionais do mercado editorial.

  2. Disciplina.

    Livro Amores (Im)PossíveisSe você foi chamado para a jornada do escritor – não acredito que tenhamos escolha; somos escolhidos –, tenha disciplina. Escreva diariamente. Não precisa escrever o mesmo romance todos os dias. Se você está deixando sua história fermentar, escreva um conto, uma crônica, quem sabe um poema? Enfim, o importante é praticar sempre. Uma das melhores formas de melhorar sua escrita é escrevendo. Óbvio, né? Mesmo assim, sempre há alguém procurando uma fórmula mágica para “tornar-se escritor”.

  3. Leituras.

    Ler, ler e ler. Leitura e escrita são essenciais para o escritor. Escritor com preguiça de ler? Não sei se existe. Há muitas pessoas que se aventuram a escrever, mas é fácil perceber quando a bagagem cultural delas precisa ser melhorada. As leituras ajudam a identificar os diferentes estilos e características de gêneros literários, e ainda enriquecem suas próprias narrativas (isto é intertextualidade).

  4. Resenhas.

    Livro Mentes InquietasDificilmente você se lembrará de todos os livros que já leu. Se for viciado em leitura, então… Escrever resenhas é uma ótima maneira de analisar suas obras favoritas e os livros de colegas escritores. Resenhas também servem como registros que facilitam o resgate de algum trecho favorito, de informações sobre o livro e o autor. Não dá para confiar na memória!

  5. Sociabilidade.

    O escritor precisa de solidão para escrever, mas ele não pode ser um eremita. Com diversas opções de comunicação, hoje é possível fazer amizades com outros escritores, tirar dúvidas, desabafar sobre os sofrimentos de escrever (com moderação, por favor!), obter opiniões sobre seus manuscritos – esqueça os colegas para quem tudo está sempre lindo e perfeito; estes só alimentarão seu ego. Também é possível ficar por dentro de concursos literários, seleções para antologias, lançamentos de livros, etc.

  6. Revisões.

    Livro Loveless - Coletânea de ContosNão importa o quão bacana seja sua escrita, nenhum amigo ou profissional lerá com prazer um texto repleto de erros ortográficos e falhas na narrativa. Procure por pontas soltas. Leia e releia várias vezes seu romance, conto. Certa vez, um usuário do Twitter me pediu para ler um material dele. Acabei não lendo, mas um amigo curioso sim. O texto estava lotado de erros; parecia uma paródia, uma tentativa mal sucedida de plágio de diversos livros (infanto-juvenis) que eram modinha no momento. Respeite o leitor beta. Entregue seu material para avaliação apenas depois de tê-lo revisado bem antes.

  7. Desconfiança.

    Confie desconfiando. Se você acabou de ingressar no mercado editorial, há muitas coisas que ainda aprenderá, assim como estou aprendendo. Descubra se realmente vale a pena publicar por tal editora, leia contratos com atenção (sim, aquele mesmo que você vai logo procurando assinar porque está tão desesperado para ser publicado), registre seus originais – até agora não fiz isso e, por motivos óbvios, eu deixo só os amigos escritores mais íntimos lerem meus textos. Enfim, desconfie de tudo, mas sem se tornar um chato, por favor.

Sobre o autor

Ben OliveiraBen Oliveira é um escritor de 24 anos graduado em Jornalismo. Tem 7 contos publicados em 6 coletâneas (Amores Impossíveis, Mentes Impossíveis, Sonhos Lúcidos, Loveless, Homossilábicas Vol. 3 e Seres Mitológicos). É autor do blog http://www.benoliveira.com/, onde posta resenhas, entrevistas com escritores, dicas sobre escrita criativa e demais informações relacionadas ao universo literário.

Teve um romance entre os 37 pré-selecionados do Prêmio SESC (dos 214 inscritos) e está sempre participando de concursos literários. Sonha em publicar seus romances, continuar publicando seus contos (de preferência, em uma coletânea só dele) e algum dia poder sobreviver como escritor profissional, fazendo o que mais ama: escrever.

Perfil no Facebook: Ben Oliveira

Página no Facebook : Blog do Ben Oliveira

Twitter: @Ben_Oliveira

Google+: Ben Oliveira

Skoob: Ben Oliveira

eBook 7 coisas que aprendiGostou das 7 dicas do Ben? Quer aprender mais com a experiência de outros 58 escritores? Baixe agora o eBook gratuito da série 7 coisas que aprendi.

Compre na Amazon

 

Veja a opinião de outros autores aqui e no Vida de Escritor!

* Projeto inspirado pela coluna “7 Things I’ve Learned So Far”, da revista Writer’s Digest.


Opiniões recentes
      • Paulo Sergio Moraes

Comente à vontade!

Ou opine pelo Facebook:

Seguir

Inscreva-se e receba notificações de novos artigos por email.

Junte-se a outros seguidores.

%d blogueiros gostam disto: