7 coisas que aprendi – por Lucas Barroso

Em uma iniciativa conjunta* entre os blogs Escriba Encapuzado e Vida de Escritor, T.K. Pereira e Alexandre Lobão convidam escritores para compartilharem suas experiências com os colegas de profissão, destacando sete coisas que aprenderam até hoje. Não interessa se você é iniciante ou veterano, se escreve poesias, contos, romances ou biografias, envie sua contribuição para esta série de artigos!

Neste post, com a palavra, o jornalista, escritor e poeta Lucas Barroso, autor do romance Virose e da antologia poética O Ano dos Mortos.

  1.  Não imite Bukowski.

    O mundo está cheio de imitadores desse escritor. Muitos estão em filas nas agências de emprego. Não vale a pena. Todos os leitores preferem o original. Busque imitar algum outro bom autor que não esteja na moda. Albert Camus, talvez, seja uma boa alternativa.

  2.  Leia livros de autoajuda escondido.

    Não tem erro. Nesse tipo de livro estão todos os ensinamentos. Então, pra quê correr em círculos? Vá direto a fonte do saber! Só, por favor, leia escondido. Pega mal um escritor sério ler esse tipo de “subliteratura”.

  3.  Puxe o saco de governos que estão no poder."Virose", livro do escritor Lucas Barroso

    É batata! Inscreva seu projeto em leis de incentivo e babe bastante o ovo da turma que comanda a Cultura. Eles é que estão com o dinheiro (é pouco, mas dá pro gasto). Então, como dizem os americanos, siga o dinheiro.

  4.  Entre em alguma panelinha ou grupo seleto.

    Não é fácil. Às vezes, você tem até que namorar alguém que não presta, mas se isso vai te aproximar das pessoas que fazem a roda girar em sua cidade – como os que coordenam eventos, escrevem em jornais, fazem críticas em blogs – vá sem medo. Amigos divulgam amigos.

  5.  Não fique “só” com a literatura. Tenha alguma causa ou bandeira para lutar.

    A vida não se limita à literatura. Você pode escrever mal pra cacete, mas com uma causa nobre (mobilidade urbana, cicloativismo, liberação de drogas, vegetarianismo, entre outras), suas chances de aparecer na mídia como “especialista” e fonte fidedigna aumentam muito. E, por consequência, a vendagem de seus livros também.

  6.  Morra cedo.

    Se nada der certo. Essa é uma opção. Um tanto desesperada, mas muitos autores se utilizam disso. Se você é um daqueles que se preocupa muito com dinheiro, essa alternativa é um problema, pois os direitos de sua obra vão ficar pra alguém da família. E sabe como é família…

  7.  Não acredite jamais em dicas, receitas ou caminhos fáceis.

    Isso não existe no mundo da arte. Como dizia o pequeno filho do rei: “tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”. E você não vai cativar porra nenhuma com fórmulas utilizadas por outros. Ok, isso é dica, eu sei… Mas é uma das melhores que tem por aí.

Sobre o autor

Escritor Lucas BarrosoLucas Barroso é jornalista e escritor, nascido em Porto Alegre. Autor de Virose (2013), seu romance de estreia, pela editora Bartlebee. Pela mesma editora sai seu segundo livro, O Ano dos Mortos (poesia). O escritor também mantém o blog Café Preto e Solidão e é colunista do site Mínimo Múltiplo.

Processo Criativo: 2 mil toques

Blog Oficial: Café Preto e Solidão

Jornalismo Cultural: Mínimo Múltiplo

Facebook: Perfil | Página

Twitter: @lsBarroso

Google+: Perfil

YouTube: Canal

Contato: lsbarroso84@gmail.com

Veja a opinião de outros autores aqui e no Vida de Escritor!

eBook 7 coisas que aprendiGostou das 7 dicas do Lucas? Quer aprender mais com a experiência de outros 58 escritores? Baixe agora o eBook gratuito da série 7 coisas que aprendi.

* Projeto inspirado pela coluna “7 Things I’ve Learned So Far”, da revista Writer’s Digest.


Opiniões

Comente à vontade!

Ou opine pelo Facebook:

Seguir

Inscreva-se e receba notificações de novos artigos por email.

Junte-se a outros seguidores.

%d blogueiros gostam disto: