7 coisas que aprendi – por Ana Faria

Em uma iniciativa conjunta* entre os blogs Escriba Encapuzado e Vida de Escritor, T.K. Pereira e Alexandre Lobão convidam escritores para compartilharem suas experiências com os colegas de profissão, destacando sete coisas que aprenderam até hoje. Não interessa se você é iniciante ou veterano, se escreve poesias, contos, romances ou biografias, envie sua contribuição para esta série de artigos!

Neste post, com a palavra, a escritora belo-horizontina Ana Faria, autora de Um Ano Bom e integrante da Liga de Autores Mineiros.

A capacidade de contar histórias surgiu na humanidade junto com a comunicação. Entretanto, colocar a história no papel de forma elegante, envolvente e convincente não é tarefa fácil. Muito mais do que apenas inspiração, são necessárias técnicas que permitem o autor construir o seu enredo dando a ele início, meio e fim coerentes, concatenados, interessantes, proporcionando aos leitores momentos de prazer e construção do conhecimento através dos livros.

IdeiasPor outro lado, ainda que o escritor tenha o sonho de escrever um livro, domine a gramática e as técnicas da escrita, sem a inspiração, sem a ideia inicial, não há história a ser desenvolvida. Vamos chamar tal ideia inicial de “detonador”, a partir do qual pensaremos toda a história do início ao fim, ou vice-versa (sim, pois muitos autores escrevem o final da história antes do início).

Veja a seguir algumas dicas para lhe ajudar a realizar o sonho de escrever uma história, seja ela um livro, um conto, uma crônica, um poema, etc. Vamos listar algumas situações em que os detonadores aparecem no seu caminho e assim você poderá ficar mais atento para agarrar as oportunidades.

Não se desgrude de um caderninho de anotações ou mesmo de seu computador. Tenha sempre essas ferramentas em mãos para que as ideias iniciais sejam registradas e guardadas, para não serem esquecidas e sim utilizadas no futuro.

  1.   A inspiração pode vir de sonhos.

    Parece clichê, mas é verdade. É bem provável que sonhemos todas as noites, porém, nem sempre nos lembramos de tais sonhos. Muito embora grande parte dos sonhos não faça o menor sentido, alguns se passam como cenas de filmes em nossa mente e são excelentes como ideias iniciais para o futuro desenvolvimento de uma história.

    Dessa forma, mantenha próximo ao local onde você dorme um material de anotação para que, quando você acordar, seja no meio da noite ou pela manhã, possa registrar seu sonho ou pelo menos a parte que se lembra. Faça isso depressa, pois geralmente nos esquecemos deles ao longo do dia.

  2.  A inspiração pode vir de outras histórias.

    Quando lemos outros livros, outras histórias, podemos ter ideias de conflitos que poderiam ser adicionados ou modificados na trama, mas não poderemos fazer isso no livro que não nos pertence. Contudo, essas ideias podem ser material para você escrever sua própria história. Isso não é plágio, é inspiração, influência.

    Todo autor bebeu em fontes anteriores para escrever o que escreve. É claro que você não fará uma cópia da história que está lendo, mas ideias podem pipocar na sua mente e dar origem a outras histórias, que mesmo com alguns pontos semelhantes, ainda assim serão originais. Portanto leia muito, os contemporâneos e os clássicos.

  3.  As ideias podem vir de situações vivenciadas por você ou por alguém que você conhece.

    Um Ano BomO cotidiano é um ótimo gerador de ideias iniciais, pois é dele que tiramos nossa experiência que dará veracidade às ideias da nossa história. Se eu não entendo nada de cavalos, posso até escrever sobre cavalos, mas terei de fazer uma pesquisa para isso.

    Por outro lado se escrevo sobre algo que sei, que trabalho, que vivo, então escrevo com mais propriedade e tenho muitas situações vivenciadas que podem servir como “detonadores”. O mesmo vale para experiências que conhecidos nossos viveram as quais tomamos conhecimento.

  4.  As ideias podem vir de notícias.

    Os noticiários estão repletos diariamente de notícias sobre política, economia, geopolítica, governos, questões policiais e, raramente, atos de bondade e coragem. Estas são boas fontes de ideias iniciais, ou seja, de “detonadores”.

  5.  As ideias podem vir de filmes e obras de arte.

    Posso, por exemplo, olhar para uma pintura de uma paisagem: há um rio, uma montanha ao fundo com o cume coberto de neve, em primeiro plano um campo florido, um pequeno barco preso à margem… Esse pode ser um cenário perfeito para a cena de uma história e daí surge a ideia inicial.

    Os filmes também são excelentes, pois nos envolvem de uma forma única, utilizando som, imagem, poesia, enredo… Nos dão inspiração e nos fazem ter excelentes ideias para escrever nossa própria história.

  6.  Revisão Ortográfica.

    Além das dicas sobre ideias e inspiração, complemento dizendo aqui que a revisão ortográfica de seu texto é fundamental para a qualidade da obra. Não poupe esforços para investir neste serviço. Faça orçamentos e procure bons profissionais. Busque referências, verifique o trabalho que já fizeram.

    Não pague pelo serviço todo à vista. Pague uma parte, se necessário, e deixe para pagar o restante depois que você receber a revisão e conferir o trabalho feito. Um texto com erros gramaticais é altamente frustrante para o autor e pode trazer prejuízos para sua carreira.

  7.  Capa e Redes Sociais.

    A capa do livro também é um ponto alto. Embora não seja o mais importante, complementa a obra, enriquece e conquista os leitores. Invista numa capa bacana, pesquise o que seu público alvo gosta. Utilize as redes sociais para divulgar o seu trabalho: Facebook, Instagran, Youtube, etc. Isso tem sido ferramenta fundamental para alavancar a carreira dos autores e mantê-los em contato com o público. Através da internet vocês e seus textos podem ser apreciados. E isso é ótimo!

Gostou das dicas? Tem o sonho de escrever um livro? Então mãos à obra e aguce sua atenção na busca por ideias, por “detonadores”. Tenho certeza de que sua história poderá ficar sensacional! Não desista dos seus sonhos, persevere. Se escritor é o que você quer ser, então escreva!

Sobre a autora

Escritora Ana FariaAna Carolina Viana Faria nasceu e vive na cidade de Belo Horizonte, capital do estado de Minas Gerais. É mestre em Geografia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) e atua como educadora de Ensino Fundamental e Superior.

Desde criança sempre gostou de ler e escrever. Histórias de amor são as suas favoritas. Sonhava em fazer a diferença na vida das pessoas, através do ensino e das palavras. Hoje, professora e escritora, estes sonhos são realidade.

Além de sua dissertação de mestrado, possui artigos científicos publicados, bem como um capítulo de livro, todos ligados à área de Geografia. Já publicou poemas e contos pela editora CBJE e pela editora Ases da Literatura. Um Ano Bom é o seu primeiro romance e outros originais do mesmo gênero já estão em desenvolvimento.

Facebook: Perfil | Um Ano Bom

Twitter: @AnaFaria_autora

Liga de Autores Mineiros: Site | Facebook

Veja a opinião de outros autores aqui e no Vida de Escritor!

eBook 7 coisas que aprendiGostou das 7 dicas da Ana? Quer aprender mais com a experiência de outros 58 escritores? Baixe agora o eBook gratuito da série 7 coisas que aprendi.

* Projeto inspirado pela coluna “7 Things I’ve Learned So Far”, da revista Writer’s Digest.

Comente à vontade!

%d blogueiros gostam disto:
%d blogueiros gostam disto: